O Convento de São Pedro de Alcântara é um dos edifícios históricos de maior relevância que integram o património artístico da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. A sua edificação deve-se à iniciativa do 1º Marquês de Marialva e Conde de Cantanhede, em cumprimento de um voto feito na véspera da Batalha de Montes Claros, em 1666 (Guerra da Restauração) quando, à frente do exército português, se confrontava com um poderoso exército castelhano. Em Agosto de 1680, instalavam-se aqui os monges capuchos de Santa Maria da Arrábida, em provisórias dependências.

Secularizado em consequência da política antirreligiosa do período liberal, este complexo arquitetónico foi entregue, em 1833, à Misericórdia de Lisboa, que nele instalou o Recolhimento das Órfãs, o qual foi sustentado por vários legados. Em 1912, o legado de D. Carolina Paiva de Andrade permitiu a criação do Instituto de São Pedro de Alcântara, equipamento social mais antigo da Misericórdia que aqui funcionou até 2012.

No interior do convento, a sua magnífica capela destaca-se pelos ricos painéis de azulejos da época barroca, altares em talha dourada e imponentes pinturas do mesmo período, sendo o teto pintado em grissaille, por Pierre Bordes, em 1878. Do átrio exterior acede-se à Capela dos Lencastres, a joia deste monumento, totalmente revestida com mármores embutidos de influência italiana. 


Morada: R. Luisa Todi, n.º 1 (em frente ao miradouro/jardim São Pedro de Alcântara)

Transportes:
  • Carris: 773 (R. Escola Politécnica)
    758 (Largo Trindade Coelho)
    Eléctrico 28 (Largo Camões)
  • Metro: Rato (Linha Amarela)
    Baixa-Chiado (Linha Verde)
MAPA




Apoios:

Facebook