Prémios Santa Casa

A SCML promove diversas iniciativas para reconhecer, valorizar e distinguir pessoas e instituições que, em diversas áreas de atuação, trabalham com objetivos claramente associados à missão da Santa Casa.

Assim, atribui anualmente prémios na área da Investigação Científica, Ação Social, Saúde e outras áreas relacionadas.

Prémios Santa Casa Neurociências


A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) é uma instituição de direito privado e de utilidade pública administrativa que, ao longo dos seus mais de cinco séculos de existência, tem pautado a sua atuação, junto da comunidade, pela defesa de valores sociais inestimáveis, numa ótica de proximidade, respeito e defesa de boas causas. Tem como missão a melhoria da qualidade de vida da população, sendo prioritário o apoio aos mais desfavorecidos.

Em 2013, e pela primeira vez na sua história, a SCML começou a investir diretamente na investigação científica e médica de excelência, através da criação das maiores bolsas para projetos em Neurociências desenvolvidos em Portugal. A iniciativa constitui igualmente uma aposta ambiciosa no mérito e no valor da nossa comunidade médica e científica, numa conjuntura difícil para a Investigação & Desenvolvimento nacionais.

Os Prémios Santa Casa Neurociências representam, assim, um investimento anual de 400 mil euros e destinam-se a promover o trabalho de investigação científica ou clínica nas áreas multidisciplinares das biociências, nomeadamente a neurologia, a neuropatologia, a bioquímica, a biologia molecular, a genética molecular, a química, a farmacologia, a imunologia, a fisiologia, e a biologia celular, entre outras.

O Prémio Melo e Castro, no valor de 200 mil euros, distingue o projeto que potencie a recuperação e tratamento de lesões vertebro-medulares, território em que SCML foi pioneira no país, em 1966, com a abertura do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão. Pretende promover a descoberta de soluções para a reabilitação dos indivíduos afetados, reduzindo, de forma significativa, as limitações motoras e fisiológicas associadas.

O Prémio Mantero Belard, também de 200 mil euros, tem como objetivo promover e dinamizar a investigação científica ou clínica, no âmbito das doenças neurodegenerativas associadas ao envelhecimento, como a Doença de Parkinson e a Doença de Alzheimer, possibilitando novas estratégias no tratamento e restabelecimento das funções neurológicas.

É pela esperança na construção de uma resposta eficaz no tratamento de lesões vertebro-medulares, realidade com a qual a SCML lida diariamente, e pela autonomia e dignidade dos mais de 11 mil idosos para quem trabalha, que a instituição lança, uma vez mais, este desafio à comunidade médica e científica nacional. 

As candidaturas à 6ª edição dos Prémios Santa Casa Neurociências iniciam a 02 de maio e terminam a 10 de setembro de 2018.

EDIÇÕES ANTERIORES


Prémios Santa Casa Neurociências 2017

Em 2017, a vencedora do Prémio Mantero Belard foi a investigadora Maria José Diógenes e a sua equipa do Instituto de Medicina Molecular  com o projeto "Nova estratégia terapêutica e novo biomarcador para a Doença de Alzheimer baseados na clivagem do receptor do BDNF". O projeto "CombiCORD - Regeneração de lesões vertebro-medulares através da acção combinada de farmaco-terapias, engenharia de tecidos e estimulação epidural" do Investigador António Salgado e da sua equipa da Universidade do Minho foi o projeto vencedor do Prémio Melo e Castro, nesta quinta edição dos Prémios Santa Casa Neurociências.

Prémios Santa Casa Neurociências 2016

Em 2016, a vencedora do Prémio Mantero Belard foi a investigadora Sandra Cardoso e a sua equipa do Centro de Neurociências e Biologia Celular com o projeto "Efeito toxinogénico da microbiota intestinal na doença de Parkinson esporádica: à procura de "antiPDbióticos"".

O projeto "INSPIReD - Disfunção da bexiga após lesões vertebromedulares: identificação dos mecanismos de aparecimento e manutenção da hiperatividade neurogénica do detrusor e dissinergiadetrusor-esfincteriana" da Investigadora Célia Cruz e da sua equipa da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto foi o projeto vencedor do Prémio Melo e Castro, nesta quarta edição dos Prémios Santa Casa Neurociências.

Prémios Santa Casa Neurociências 2015

Na 3ª edição dos Prémios, no ano de 2015, participaram 202 investigadores, e, para além de Portugal, estiveram envolvidos outros países como Chile, Itália, Grécia, Índia, Países Baixos, Espanha, França, Alemanha, Polónia, Suíça e Estados Unidos da América.

O Prémio MELO E CASTRO 2015 foi entregue a Ana Pêgo (investigadora responsável) e à sua equipa do Instituto Nacional de Engenharia Biomédica da Universidade do Porto, pelo projeto "COMBINE - Estratégia regenerativa combinatória para potenciar a regeneração axonal e melhorar a recuperação funcional depois de lesão medular". O investigador António Ambrósio e a sua equipa, da Universidade de Coimbra, foram distinguidos com o Prémio MANTERO BELARD 2015, pelo projeto "Alterações cerebrais na doença de Alzheimer: a retina como um espelho do início e progressão da doença?".

Prémios Santa Casa Neurociências 2014

Na segunda edição dos Prémios Santa Casa Neurociências, as equipas candidatas incluíram 188 investigadores, de diversas nacionalidades. Candidataram-se investigadores nacionais, em associação com investigadores de países como Espanha, Brasil, Irlanda, Irão, Egipto, França, Alemanha, Grécia, Israel, Itália e Estados Unidos. Colaboraram também 39 instituições, das quais 33 nacionais e 6 estrangeiras, representando países como os Estados Unidos, Espanha, Irlanda e Alemanha.

Os vencedores do Prémio MANTERO BELARD 2014 foram o investigador Rodrigo Cunha e a sua equipa do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, com um projeto relativo a uma nova terapêutica baseada na cafeína para a redução dos défices de memória na doença de Alzheimer.

O investigador MoisesMallo e a sua equipa do Instituto Gulbenkian de Ciência foram distinguidos com o Prémio MELO E CASTRO 2014, com um projeto sobre novos substratos celulares para terapias de regeneração espinal.

Prémios Santa Casa Neurociências 2013

Na primeira edição dos Prémios Santa Casa Neurociências houve 79 candidaturas a concurso. No total, nos projetos inscritos estiveram envolvidos 289 investigadores, com colaborações de 12 países: Portugal, Espanha, França, Alemanha, Estados Unidos, Brasil, Grécia, Hungria, Itália, Irão, Rússia, Reino Unido.

Nesta edição inaugural, foi distinguida uma equipa de investigadores do Laboratório Associado da Universidade do Minho, ICVS-3Bs, coordenada por António José Braga Osório Gomes Salgado (Prémio MELO E CASTRO 2013), e uma equipa de investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular, da Universidade de Coimbra, coordenada por Ana Cristina Carvalho Rego (Prémio MANTERO BELARD 2013).

Candidaturas

Elegibilidade dos Candidatos

Os Prémios Santa Casa Neurociências serão atribuídos aos melhores projetos desenvolvidos em território nacional, sendo aceites parcerias ou colaborações com instituições ou investigadores de outras nacionalidades, de acordo com o estipulado no regulamento.

Acompanhamento das Candidaturas

Após a receção dos projetos candidatos, a Unidade de Investigação & Desenvolvimento do Departamento da Qualidade e Inovação da Santa Casa, confirmará a elegibilidade dos mesmos, podendo entrar em contacto com os candidatos para solicitar esclarecimentos ou informações adicionais. 

Valor dos Prémios

Os prémios MANTERO BELARD e MELO E CASTRO têm o valor de 200 mil euros que deverão ser diretamente utilizados na área da investigação, contribuindo para a concretização do projeto vencedor.


INFORMAÇÕES
T: 213 235 563

Prémio João Lobo Antunes


A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa lançou, em 2017, o Prémio João Lobo Antunes, em reconhecimento da excelência e do humanismo do médico, neurocirurgião e cientista, considerado uma das figuras mais marcantes da saúde, da ciência e da investigação biomédica em Portugal. 

O investigador Pedro Nascimento Alves, do Hospital de Santa Maria, orientador do projeto "Orientação Espacial após o AVC", venceu a segunda edição do prémio. Com o objetivo de entender de que maneira os mecanismos cerebrais relacionados com a orientação espacial são afetados após um AVC, o projeto prevê um estudo às ligações neurais e estruturas cerebrais diretamente afetadas, através de técnicas inovadoras de análise de ressonância magnética cerebral.

Este Prémio, no valor de quarenta mil euros, a ser atribuído anualmente, destina-se a licenciados em medicina em regime de internato médico e visa estimular a cultura científica e a investigação clínica na área das neurociências, sem esquecer o princípio de João Lobo Antunes relativo à humanização do ato médico - "os seus pacientes e as suas histórias".
"Não sei o que nos espera, mas sei o que me preocupa: é que a medicina, empolgada pela ciência, seduzida pela tecnologia e atordoada pela burocracia, apague a sua face humana e ignore a individualidade única de cada pessoa que sofre, pois embora se inventem cada vez mais modos de tratar, não se descobriu ainda a forma de aliviar o sofrimento sem empatia ou compaixão."

João Lobo Antunes, in "Ouvir com Outros Olhos", Gradiva, 2015
A atribuição deste prémio decorre das iniciativas que a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa tem vindo a desenvolver, desde 2013, para incentivar a investigação na área das neurociências, sob o lema  "Investigação por Boas Causas". Desde esse ano, e pela primeira vez na sua história, foram atribuídos dois prémios anualmente, no valor de 200 mil euros cada. Estas distinções incentivam avanços no tratamento de doenças neurodegenerativas, associadas ao envelhecimento (Prémio Mantero Belard), assim como na recuperação e no tratamento de lesões vertebromedulares (Prémio Melo e Castro).

Desde então, o investimento da Misericórdia de Lisboa no âmbito da Investigação & Desenvolvimento tem sido reforçado, através do desenvolvimento de outros programas e projetos, nos quais se incluem o Programa de Apoio a Projetos de Investigação Científica em Esclerose Lateral Amiotrófica e o Programa de Apoio à Investigação Científica.

A cerimónia de entrega da segunda edição do prémio decorreu no dia 4 de julho de 2018 na Sala do Brazão do Museu de São Roque.




INFORMAÇÕES
T: 213 235 563

ELA, Uma Causa de Todos


No seguimento do lançamento dos Prémios Santa Casa Neurociências em 2013, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa lançou, em 2015, o Programa de Apoio a Projetos de Investigação Científica em Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). Reforçando a sua aposta na área da investigação, este programa pretende contribuir ativa e diretamente para a melhoria das condições de vida dos doentes com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) e colaborar na busca de um caminho para a cura desta doença. Esta iniciativa de apoio à investigação evidencia, uma vez mais, o envolvimento direto da SCML nos projetos de investigação, através do financiamento e do estabelecimento de parcerias, bem como da atribuição de bolsas de investigação, no sentido de incentivar a formação avançada de recursos humanos no combate a esta doença.

A ELA é uma doença neurológica degenerativa, progressiva, rara e sem cura, que se carateriza por provocar paralisia motora progressiva e irreversível.Com o objetivo de manter viva a esperança na construção de respostas mais eficazes no combate a esta doença, o programa promove e dinamiza a investigação científica fundamental ou clínica, de forma a incentivar contribuições significativas no âmbito da ELA, possibilitando novas estratégias na prevenção, tratamento e restabelecimento das funções neurológicas.

Embora surja no seguimento dos Prémios Santa Casa Neurociências, esta iniciativa apresenta algumas diferenças significativas e inovadoras na atuação da Santa Casa. Pela primeira vez, a Santa Casa não se apresenta apenas como entidade financiadora mas como parceira que afeta os seus bolseiros de investigação ao projeto vencedor. Claramente, esta é uma nova perspetiva que mostra o entendimento e importância que a Santa Casa confere ao recursos humanos preparados para investigação em tópicos específicos como sendo a melhor via para alcançar os objetivos pretendidos. Nesta iniciativa a Santa Casa apresenta-se como entidade financiadora e como parceira. Ao afetar bolseiros de investigação ao projeto vencedor, acaba por fomentar a formação avançada nesta área.

As candidaturas decorreram entre o dia 21 de fevereiro e o dia 28 de março de 2018.


INFORMAÇÕES
T: 213 235 563

Prémios Nunes Corrêa Verdades de Faria


Criados em 1987, cumprem a vontade expressa em testamento por Mantero Belard. São entregues, anualmente, a pessoas de qualquer nacionalidade que, em Portugal, tenham contribuído, pelo seu esforço, trabalho ou estudos, nos três âmbitos definidos pelo benemérito: Cuidado e Carinho Dispensados aos Idosos Desprotegidos; Progresso da Medicina na sua Aplicação às Pessoas Idosas; Progresso no Tratamento das Doenças do Coração.

A cerimónia de entrega dos prémios decorre anualmente na Residência Faria Mantero, no Restelo, deixada por Mantero Belard à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, para acolher artistas e intelectuais de mérito.

Na cerimónia deste ano, que decorreu a 3 de julho de 2018,, os Prémios Nunes Corrêa Verdades de Faria distinguiram Maria Amélia Ferreira, provedora da Santa Casa da Misericórdia de Marco de Canavezes (Cuidado e Carinho Dispensados aos Idosos Desprotegidos), Mariana da Cruz Alves, médica interna do Hospital Pulido Valente (Progresso da Medicina na sua Aplicação às Pessoas Idosas), e Rui Paulo dos Anjos, diretor do Serviço de Cardiologia Pediátrica e presidente do Colégio de Cardiologia Pediátrica da Ordem dos Médicos (Progresso no Tratamento das Doenças do Coração).

Prémio Envelhecimento Ativo Dr.ª Maria Raquel Ribeiro


Este prémio é uma iniciativa da Associação Portuguesa de Psicogerontologia, em colaboração com a Misericórdia de Lisboa e a Fundação Montepio. É uma distinção anual que tem por objetivo reconhecer a vida e atividade de pessoas com 80 e mais anos, que continuam a desenvolver atividade profissional ou cívica relevante, em cada uma das categorias definidas: 

Intervenção Social; Arte e Espetáculo; Ciência e Investigação; Política e Cidadania; Ética e Saúde; Família e Comunidade.

EDIÇÕES ANTERIORES


Prémio Envelhecimento Ativo 2017

Intervenção Social - Arlindo de Azevedo Maia
Ciência e Investigação - António Marcos Galopim de Carvalho
Ética e Saúde - António Coimbra de Matos 
Família e Comunidade - Fernando Magalhães Crespo
Família e Comunidade - José Belo Subtil

Prémio Envelhecimento Ativo 2016

Intervenção Social - Manuel Jerónimo
Arte e Espetáculo - José Garcês
Ciência e Investigação - Margarida Abreu
Ciência e Investigação - Mário Ruivo
Ciência e Investigação - José Pinto da Costa
Politica e Cidadania - Eduardo Lourenço
Politica e Cidadania - João Moura
Ética e Saúde - António Arnaut
Ética e Saúde - Graça Andrada
Ética e Saúde - Vítor Feytor Pinto
Família e Comunidade - António Gentil Martins
Família e Comunidade - Maria de Lourdes Bettencourt

Prémio Envelhecimento Ativo 2015

Intervenção Social - Cesaltina dos Santos Lopes Camilo
Arte e Espetáculo - Glória de Matos
Ciência e Investigação - Levi Ribeiro Guerra
Politica e Cidadania - Pedro António Pestana de Vasconcelos
Ética e Saúde - Maria Luiza de Sousa Gomes Pedro
Família e Comunidade - Vicente Borges de Sousa

Prémio Envelhecimento Ativo 2014

Intervenção Social - Maria Filomena Moura Guedes
Arte e Espetáculo - Carmen Dolores
Ciência e Cidadania - Maria Manuela Silva
Politica e Cidadania - Rui Nabeiro
Ética e Saúde - Fernando de Pádua
Família e Comunidade - Manuela Azevedo

Prémio Envelhecimento Ativo 2013

Intervenção Social - Berta Silveira Botelho
Arte e Espetáculo - Ruy de carvalho
Ciência e Investigação - Daniel Serrão
Politica e Cidadania - Adriano Moreira
Ética e Saúde - João Abreu        
Família e Comunidade - Teresa Fradique

Prémio Envelhecimento Ativo 2012

Intervenção Social - Maria Helena Cadete Bernardo   
Arte e Espetáculo - Eunice Munoz         
Ciência e Investigação - Maria Odette Santos Ferreira 
Politica e Cidadania - Walter Osswald   
Família e Comunidade - Tomaz Rebelo do Espirito Santo              
Família e Comunidade - Sebastião  Mateus Arenque

A sexta edição do prémio distinguiu Arlindo de Azevedo Maria  (Intervenção Social); António Marcos Galopim de Carvalho  (Ciência e Investigação); António Coimbra de Matos (Ética e Saúde); Fernando Magalhães Crespo (Família e Comunidade) e José Belo Subtil (Família e Comunidade).

A cerimónia decorreu na Quinta Alegre a 24 de novembro de 2017. A Quinta Alegre é um dos mais emblemáticos projetos da Santa Casa, graças ao cunho de intergeracionalidade que está a orientar o projeto de reabilitação deste espaço.