protocolo CuiP
Destaques
SCML assina protocolo com Cuidadores de Portugal
Formar e habilitar os cuidadores informais e apoiá-los psicologicamente, assim como à sua família, são dois dos objetivos do protocolo assinado entre a Misericórdia de Lisboa e a Associação Cuidadores de Portugal.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) celebrou esta terça-feira, 13 de julho, na sua sede, um protocolo com a Associação Cuidadores de Portugal (CuiP).

O documento foi formalizado pelo administrador da Ação Social da Santa Casa, Sérgio Cintra, e pelo presidente da CuiP, José Teixeira, pretendendo fomentar o trabalho conjunto das duas instituições, no sentido de melhorar a qualidade de vida dos cuidadores informais e da sua família.

Na sua intervenção, Sérgio Cintra sublinhou a “enorme importância” deste protocolo e relembrou que a Santa Casa se move, acima de tudo, pelo “bem-estar das pessoas”. Acrescentou que há temas, como é o caso deste, que devem envolver não só a ação social como também a saúde, sendo esta a orientação que a Santa Casa vai seguir com este protocolo. O administrador defendeu que a SCML “deve dar o exemplo”, agradecendo o trabalho desenvolvido nesta área pela administradora da Saúde, Helena Lopes das Costa, também presente na cerimónia.

Já o presidente da Associação Cuidadores de Portugal expressou a sua satisfação pelo estabelecimento desta parceria, uma vez que permite a promoção “de uma melhor qualidade de vida para as pessoas que cuidam de outras.”

Este protocolo vem, igualmente, trazer vantagens significativas para o Centro de Recursos e (In) Formação a Prestadores de Cuidados Informais da SCML (recentemente aprovado pela Mesa), que tem, entre os seus objetivos, formar e habilitar os cuidadores informais; ajudar e apoiar psicologicamente os cuidadores e a sua família; prevenir o risco de sobrecarga física e emocional dos cuidadores; contribuir para que este papel seja reconhecido e para que tenham os seus direitos salvaguardados.

Este Centro prevê oferecer uma estrutura de atendimento; grupos de autoajuda; formação à medida; ações transversais (como brochuras e tutoriais, programas de rádio, ações de sensibilização, entre outras); e a implementação do Cartão do Cuidador.

Ainda a respeito do documento assinado, Sérgio Cintra salientou que o mesmo possibilita caminhar rumo a uma “sociedade mais justa e inclusiva”, como é lema da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

13 de julho 2017

Facebook