Notícias


E se a sua máscara fosse uma obra de arte?

18 Maio 2020
No Dia Internacional dos Museus, a arte ganha vida e sai à rua. Uma obra do Museu de São Roque saltou da tela para as máscaras, para o proteger a si e à cultura.

Hoje, Dia Internacional dos Museus, o jornal Público vai oferecer máscaras comunitárias com estampagens de peças de coleções de diversos museus com o intuito de aproximar os cidadãos da cultura nacional. Em algumas máscaras encontrará reproduzida uma imagem alusiva ao Museu de São Roque, retirada da obra tradicionalmente conhecida como "Tábuas da Vida de São Roque". Trata-se de um conjunto de quatro pinturas do século XVI que ilustram os episódios mais marcantes da vida do santo, e que integram a exposição permanente deste museu.

Esta campanha, que conta com o apoio do Ministério da Cultura e de vários museus e fundações nacionais, entre eles o Museu S. Roque, surge de um duplo conceito de proteção: ao proteger-se está a proteger a cultura. E porque não fazer das máscaras uma tela onde museus e fundações são a fonte de inspiração, numa altura em que os espaços culturais atravessam tempos difíceis?

No Dia Internacional dos Museus, a arte "salta" para a rua, neste caso através de todos aqueles que usarem estas máscaras reutilizáveis, certificadas pelo CITEVE e fabricadas em território nacional. 


"A peste, o culto e a imagem" 

Em 2020, o Conselho Internacional de Museus sugere que o Dia Internacional dos Museus seja assinalado sob o tema "Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão", tópicos em tudo relacionados com o Museu S. Roque.
 
Para assinalar esta data, a Direção da Cultura da Santa Casa sugere ainda a exposição virtual "S. Roque: a peste, o culto e a imagem", que está patente no Google Arts & Culture. Desta forma, o Museu inicia um percurso breve pela iconografia do santo e pelas obras a ele dedicadas.

Sobre São Roque, o protetor da "peste"

O culto lisboeta a São Roque ganha particular relevo numa altura de pandemia. Há cerca de 450 anos, pela Europa, ganhara fama de proteger contra maleitas geradas pelas sucessivas vagas de "peste". Reza a história que Roque provinha de uma família francesa abastada, e que terá abdicado da fortuna, partindo em peregrinação até Roma. Pelo caminho ia tratando dos doentes e conquistou a fama de conseguir curá-los. 

A popularidade dos milagres deste santo chegou a Portugal no início do reinado de D. Manuel I. S. Roque tornou-se depois um santo lisboeta que veio marcar a paisagem espiritual e urbana da cidade de Lisboa, mas, sobretudo, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.