Notícias


O “poder” da colaboração em debate

31 Janeiro 2020
O auditório do Fórum Lisboa acolheu, nos dias 30 e 31 de janeiro, a V Conferência Internacional do Fórum para a Governação Integrada, dedicada ao tema "A Era da Colaboração - contributos para uma agenda transformadora". 

Na sessão de encerramento do evento, Edmundo Martinho, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, considerou que a "colaboração entre organizações deve ser uma realidade constante no trabalho diário de todas as instituições".

"As instituições devem sair de si próprias e adotar medidas de integração e partilha. O esforço colaborativo não significa que todos devem fazer o mesmo, mas aproveitar o melhor de cada uma, de maneira a que as políticas tenham sempre como fim último, a pessoa", defendeu o provedor.

A colaboração "apenas faz sentido quando as políticas estão alinhadas com aquilo que é o interesse da pessoa", lembrou Edmundo Martinho acerca da política pública sobre os Cuidados Continuados Integrados. "A integração nos cuidados é ainda vista como uma relação entre as instituições, quando a integração deve ter como referencial o interesse do cidadão que necessita dos cuidados", concluiu.

Também no último dia do encontro, este fórum contou com a presença do administrador de ação social da Misericórdia de Lisboa, Sérgio Cintra, como orador convidado do painel "A colaboração nas questões do envelhecimento ativo", onde foram discutidas questões como a alteração do padrão demográfico da cidade e a reconfiguração das respostas sociais destinadas à população mais velha.

"A Santa Casa deve atuar numa vertente de governação integrada com as instituições que operam no mesmo espaço da Misericórdia", destacou o administrador, evidenciando o projeto pioneiro "Lisboa, Cidade de Todas as Idades" que a Santa Casa, juntamente com outros parceiros, tem vindo a realizar no âmbito da qualidade de vida das pessoas com mais de 65 anos, na cidade de Lisboa.

Para Sérgio Cintra, o objetivo é que as respostas que hoje existem sejam "adequadas às várias realidades da cidade", salientando que "cada bairro na cidade de Lisboa é diferente e como tal é essencial ouvirmos e trabalharmos em conjunto com as várias instituições e associações que operam nos diferentes territórios da cidade".


Ao longo dos dois dias de evento, que coincidiu com a sessão de encerramento do Ano Nacional da Colaboração, um vasto painel de oradores internacionais, dirigentes de outras instituições e representantes da Santa Casa discutiram as vantagens e desafios da colaboração integrada.

O Fórum para a Governação Integrada (GovInt) é uma rede colaborativa informal de instituições públicas e privadas que estabeleceram modelos de cooperação entre si, para a reflexão e a ação no âmbito da resolução de problemas sociais complexos através de modelos de governação integrada, que permitam maior eficácia e eficiência, contribuindo para uma gestão mais eficaz e eficiente de problemas sociais complexos através de modelos de governação integrada.