Notícias


Provedor entregou Prémios Nunes Correa Verdades de Faria

Estes prémios distinguem personalidades que se destacaram no cuidado a idosos e no progresso da medicina aos mais velhos.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) entregou, esta quarta-feira, 15 de junho, os Prémios Nunes Correa Verdades de Faria, que enaltecem o trabalho e investigação desenvolvido em três áreas distintas: cuidado a idosos, progresso na medicina geriátrica e tratamento das doenças do coração, de este público. A cerimónia, presidida pelo provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), Pedro Santana Lopes, decorreu na Residência Faria Mantero, em Lisboa.

Na sua intervenção, Pedro Santana Lopes, defendeu que em ano de jubileu é “ainda mais necessário reflectir nos bons exemplos que vemos”, destacando o trabalho desenvolvido pelos galardoados em prol das pessoas carenciadas, principalmente da população idosa.

Pedro Santana Lopes sublinhou, ainda, que os Prémios Nunes Correa de Faria são “muito importantes”, mas mais ainda, porque “distinguem pessoas individuais e colectivas pelo trabalho desenvolvido para com o outro”.

Durante alguns minutos, o provedor da SCML fez questão de destacar, além desta, outras iniciativas que a SCML tem desenvolvido, com o propósito de cuidar dos que mais precisam, salientado o Fundo Rainha Dona Leonor, que ajuda misericórdias com dificuldades financeiras, a construção do novo Hospital da Estrela, que vai dar lugar à maior Unidade de Cuidados Continuados e Paliativos em Lisboa e a criação dos Prémios Santa Casa Neurociências que atribui todos os anos duas bolsas para investigações no âmbito das doenças neurodegenerativas, associadas ao envelhecimento, e das lesões vertebromedulares.

A administradora da SCML, Helena Lopes da Costa agradeceu aos galardoados o empenho.

O fundador do Lar e centro de Dia Nossa Senhora da Luz, Vale do Peso, João Belo Subtil, recebeu o prémio pelo “Cuidado e Carinho Dispensados aos Idosos Desprotegidos”. Foi distinguido pela sua dedicação de aproximadamente 50 anos, à causa do bem-estar da população idosa do Concelho do Crato e Distrito de Portalegre.

À docente da Faculdade de Medicina de Lisboa, Alda Pereira da Silva Oliveira foi atribuído o prémio relativo ao “Progresso da Medicina na sua Aplicação às Pessoas Idosas”, pelo seu trabalho de investigação junto da população centenária.

O prémio nesta categoria foi, ainda, atribuído a Fernando Manuel Pimentel dos Santos, vice-presidente do Instituto Português de Reumatologia, em co-autoria com Sofia Ramiro, doutorada em Reumatologia, pelo estudo sobre o impacto das doenças crónicas nas pessoas idosas.

Na área do “Progresso no Tratamento das Doenças do Coração”, o médico Miguel Filipe Bernardo da Silva foi no distinguido, pela actividade de investigação desenvolvida, principalmente na área do sedentarismo.

O júri decidiu, também, atribuir, por unanimidade duas menções honrosas, na área “Cuidado e Carinho Dispensados aos Idosos Desprotegidos” a Maria de Lourdes Pereira Miguel e à Santa Casa da Misericórdia de Fátima-Ourém, representada pela sua provedora, Fernanda Rosa, pelo empenho, dedicação e trabalho desenvolvido em todo o concelho em favorecimento da população mais vulnerável.

A Santa Casa de Fátima-Ourém foi a última Misericórdia a ser fundada e funciona ainda em instalações alugadas. Para a provedora o prémio atribuído vem reforçar a ideia de que “a Misericórdia de Fátima-Ourém necessita de uma sede própria”.

No final da entrega das menções honrosas, Pedro Santana Lopes, fez questão de salientar que está disponível para ajudar a Misericórdia de Fátima-Ourém na “edificação da sua sede”, através do Fundo Rainha D. Leonor.

A cerimónia realizou-se na bela residência Faria Mantero, no Restelo, também deixada por Mantero Belard à Santa Casa para acolher artistas e intelectuais de mérito.

Os Prémios "Nunes Corrêa Verdades de Faria" foram criados, em 1987, para cumprir a vontade expressa em testamento por Mantero Belard. São entregues, anualmente, a pessoas de qualquer nacionalidade que, em Portugal, tenham contribuído, pelo seu esforço, trabalho ou estudos, nos três âmbitos definidos pelo benemérito.





Veja também:

16 de junho de 2016


Texto: Frederico Andrade da Silva

Fotografia: Teresa Gonçalves