Notícias


Santa Casa atribui Prémios Nunes Correa Verdades de Faria

04 Julho 2018
No valor de 12.500,00 euros cada, estes prémios distinguem personalidades que se destacaram no cuidado a idosos e no progresso na área da saúde.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) atribuiu, esta terça-feira, 3 de julho, os Prémios Nunes Correa Verdades de Faria, que distinguiram Maria Amélia Ferreira, provedora da Santa Casa da Misericórdia de Marco de Canavezes, Mariana da Cruz Alves, médica interna do Hospital Pulido Valente, e Rui Paulo dos Anjos, diretor do Serviço de Cardiologia Pediátrica e presidente do Colégio de Cardiologia Pediátrica da Ordem dos Médicos. O júri decidiu, ainda, atribuir, quatro menções honrosas.

Estes Prémios destinam-se a galardoar os indivíduos (de qualquer nacionalidade) que, em Portugal, mais tenham contribuído pelo seu esforço, trabalho ou investigação para estas três áreas: cuidado a idosos, progresso na medicina geriátrica e tratamento das doenças do coração.

A cerimónia, presidida por Edmundo Martinho, provedor da Santa Casa, decorreu no jardim da Residência Faria Mantero, no Restelo, em Lisboa.


Na sua intervenção, o provedor começou por agradecer "o exemplo e a inspiração das pessoas que dedicam a sua vida em prol dos outros". Os Prémios Nunes Correa Verdades de Faria são apenas uma "expressão da gratidão e do reconhecimento" da comunidade pelo trabalho dos premiados".

"A atribuição destes prémios, ao dar cumprimento à condição estabelecida por Henrique Mantero Belard, é para a SCML um motivo de orgulho e a expressão viva de que o apoio à investigação e ao desenvolvimento científico constituiu uma responsabilidade que queremos assumir plenamente e que nos ajuda a fazer melhor", concluiu Edmundo Martinho. 

Helena Lopes da Costa, administradora da Saúde da instituição, lembrou que "o que nos reúne, hoje, aqui, é precisamente a última vontade de Henrique Mantero Belard. A preocupação deste benemérito em relação aos mais idosos e desprotegidos representa um exemplo que poderá ser seguido por todos nós, e representa, igualmente, um dos pilares de atuação da Misericórdia de Lisboa".

Maria Amélia Ferreira, provedora da Santa Casa da Misericórdia de Marco de Canavezes, recebeu o prémio na área A - "Cuidado e Carinho Dispensados aos Idosos Desprotegidos". Foi distinguida pela sua intensa atividade de responsabilidade social numa área geográfica carenciada.

Já na área B - "Progresso da Medicina na sua Aplicação às Pessoas Idosas", Mariana da Cruz Alves, médica interna do Hospital Pulido Valente, foi reconhecida pelo seu projeto de doutoramento sobre o risco cardiovascular da doença de Parkinson.

Rui Manuel dos Anjos, diretor do serviço de Cardiologia Pediátrica do Hospital de Santa Cruz, foi distinguido com o prémio no âmbito da área C - "Progresso no Tratamento das Doenças do Coração" - por introduzir em Portugal múltiplas técnicas de intervenção em Cardiologia Pediátrica, permitindo o tratamento não invasivo, por cateterismo, de várias cardiopatias congénitas.

O júri decidiu, ainda, atribuir, quatro menções honrosas:

Na área A - Cuidado e Carinho Dispensados aos Idosos Desprotegidos - o júri distinguiu o trabalho do Projeto Aldeias Humanitar (um projeto que pretende manter vivas as aldeias e vilas do interior de Portugal), do Monsenhor Domingos da Silva Araújo (escritor, poeta, jornalista, com atividade docente e pastoral) e de Maria de Lourdes Miguel (pelo projeto "Mais Proximidade, Melhor Vida).

Já na área C - Progresso no Tratamento das Doenças do Coração - o júri reconheceu o trabalho realizado por Daniel Gomes Caldeira, médico especialista em Cardiologia e especialista em Farmacologia Clínica.

Criados em 1987, os Prémios "Nunes Corrêa Verdades de Faria" cumprem a vontade expressa em testamento por Mantero Belard. São entregues, anualmente, a pessoas de qualquer nacionalidade que, em Portugal, tenham contribuído, pelo seu esforço, trabalho ou estudos, nos três âmbitos definidos pelo benemérito. A Residência Faria Mantero, no Restelo, foi deixada por Mantero Belard à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, para acolher artistas e intelectuais de mérito.

O júri dos prémios foi constituído por Helena Lopes da Costa, administradora da Santa Casa da Misericórdia, pelo médico-cirurgião Fernando Pádua, pelo padre Vítor Melícias, pelo especialista em cardiologia e medicina interna João Pedro Gorjão Clara e pelo cirurgião José Guimarães dos Santos.