Notícias


Santa Casa atribui prémios Nunes Correa Verdades de Faria 2018

05 Julho 2019
No valor de 12.500,00 euros cada, os prémios Nunes Correa Verdades de Faria distinguem as personalidades que se destacaram no cuidado a idosos desprotegidos, no progresso da medicina para os mais velhos e no tratamento das doenças do coração.

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) entregou, esta quinta-feira, 4 de julho, os prémios Nunes Correa Verdades de Faria, que enaltecem o trabalho e investigação desenvolvido em três áreas: cuidado a idosos, progresso na medicina geriátrica e tratamento das doenças do coração deste público. O júri decidiu, ainda, atribuir, cinco menções honrosas. 

Estes Prémios destinam-se a galardoar os indivíduos (de qualquer nacionalidade) que, em Portugal, mais tenham contribuído pelo seu esforço, trabalho ou investigação nos três âmbitos definidos pelo benemérito.

A cerimónia, presidida por João Pedro Correia, vice-provedor da instituição, decorreu no jardim da Residência Faria Mantero, no Restelo, em Lisboa, no âmbito das festividades do aniversário da Misericórdia de Lisboa. 

João Pedro Correia iniciou a sua intervenção com uma mensagem do provedor, Edmundo Martinho. Na sua mensagem, o responsável agradeceu a todos os que participaram na edição deste ano destas distinções, sublinhando que "no ano em que a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa celebra 521 anos, é com especial satisfação que celebramos também o 32º aniversário dos Prémios Nunes Correa Verdades de Faria, através do anúncio dos vencedores da edição de 2018". Estes prémios "prestam, uma vez mais, a devida homenagem a Enrique Mantero Belard, por todos reconhecido como um dos grandes beneméritos da sociedade portuguesa", sublinhou.

Maria de Lourdes Pereira Miguel, integrada na Direção do Centro Social Paroquial de S. Nicolau, recebeu o prémio na área A - "Cuidado e Carinho Dispensados aos Idosos Desprotegidos". Foi distinguida pela implementação do projeto "Mais Proximidade, Melhor Vida", combatendo a solidão e isolamento dos idosos.

Já na área B - "Progresso da Medicina na sua Aplicação às Pessoas Idosas", Lia Guerreiro Marques, médica com competência em geriatria pela Ordem dos Médicos, foi reconhecida pelo esforço para melhorar a qualidade de vida e autonomia dos idosos. 

Pedro Marques da Silva, consultor hospital graduado pela Ordem dos Médicos, especialista de Farmacologia Clínica e Farmacoepidemiologia e de Hipertensão Clínica com competência de Geriatria, foi distinguido com o prémio no âmbito da área C - "Progresso no Tratamento das Doenças do Coração" - pela sua luta com o objetivo de diminuir a carga da doença cardiovascular.

O júri decidiu, ainda, atribuir, cinco menções honrosas:

Na área A - Cuidado e Carinho Dispensados aos Idosos Desprotegidos - o júri distinguiu o trabalho de Domingos Marques Alves Rosa (presidente da Fundação AFID Diferença) e de 
Mafalda Mello e Castro pelo trabalho desenvolvido no Centro Social e Paroquial de São Francisco de Paula. 
 
 
Já na área B - Processo da Medicina na sua Aplicação às pessoas idosas - o júri reconheceu o trabalho realizado por Inês Maria Sequeira Rodolfo pelo trabalho pioneiro que visa melhorar a relação entre paciente e o médico.

Por outro lado, na área C - Progresso no Tratamento das Doenças do Coração - o júri reconheceu o trabalho realizado por Eugenia Carvalho, do Grupo de Diabetes, Obesidade e Complicações do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra. Pedro Nuno Martins Pires Coelho, com a especialidade de Cirurgia Cardiotorácica pela Ordem dos Médicos e doutoramento em 2019, pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, foi outro dos reconhecidos.

Criados em 1987, os Prémios "Nunes Corrêa Verdades de Faria" cumprem a vontade expressa em testamento por Mantero Belard. São entregues, anualmente, a pessoas de qualquer nacionalidade que, em Portugal, tenham contribuído, pelo seu esforço, trabalho ou estudos, nos três âmbitos definidos pelo benemérito. A Residência Faria Mantero, no Restelo, foi deixada por Mantero Belard à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, para acolher artistas e intelectuais de mérito.