Notícias


Um livro para o futuro

06 Junho 2019
"Referencial GovInt para a Promoção do Envelhecimento na Comunidade" é o nome do livro elaborado pelo Grupo de Trabalho para a Longevidade & Envelhecimento/Forúm para a Governação Integrada, lançado esta quarta-feira, 5 de junho, no Auditório da Feira do Livro.

Coordenado por Mário Rui André, no âmbito do Fórum para a Governação Integrada, o livro (Edições Santa Casa) foi apresentado por Sérgio Cintra, administrador com o pelouro da Ação Social da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), e Paula Guimarães, diretora da Fundação Montepio. O encontro foi moderado pela jornalista Dulce Salzedas.

Foram quatro anos de trabalho conjunto, nove participações e muita colaboração entre diferentes visões e sensibilidades. Mais do que um instrumento para o futuro, este livro é esperança (daí a sua capa ser verde) para um novo paradigma no envelhecimento. 

Sérgio Cintra destacou que este documento constitui um valioso instrumento de trabalho porque analisa e apresenta respostas mais adequadas a problemas que hoje são muito diferentes e mais complexos. Para o administrador da SCML, há uma mudança de paradigma relativamente ao envelhecimento: é necessário que as diversas organizações colaborem para resolver problemas comuns.

Já Paula Guimarães defende que "esta obra é uma visão conjunta que pode contribuir para uma maior qualidade de vida. É um referencial para o futuro e uma forma diferente de trabalho em Portugal".

Ao longo dos últimos anos, a abordagem aos processos de envelhecimento passou de uma visão estática que determinava uma idade cronológica como um estado humano inevitável a uma abordagem dinâmica, repleta de desafios à escala global e em diferentes áreas de atuação politica.

Face à heterogeneidade de perfis sociais da população mais velha e aos diferentes resultados do processo de envelhecimento, tornou-se imperativo apresentar respostas mais adequadas a diferentes exigências e necessidades. Este livro tem o mérito de explicitar e fundamentar por que razão estamos perante um problema social complexo que não se resolve com o recurso a processos simplificadores.