Prémio Melo e Castro

Contando com mais de 5 séculos de História, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), têm-se sempre regido pelo seu compromisso de origem: ajudar os mais desfavorecidos.

A experiência da SCML na formação de profissionais de saúde, nomeadamente no âmbito da Fisioterapia e Reabilitação, remonta a 1957, com a criação dos cursos de Fisioterapia, de Terapia Ocupacional e de Terapia da Fala. Em 1966, e por iniciativa do Provedor José de Melo e Castro*, é inaugurado o Centro de Reabilitação de Alcoitão (CRA), que integrava a Escola de Reabilitação de Alcoitão (ERA). Em 1994, a ERA passa a integrar o Sistema Nacional de Ensino sob o atual nome, Escola Superior de Saúde de Alcoitão (ESSA).

Foi, na altura, uma aposta fortíssima e com objetivos ambiciosos, mas que tornaram possível a "excelência em reabilitação", lema por que hoje é conhecido, e reconhecido, todo o trabalho do CMRA.

É com este mesmo espírito que, com este prémio, se pretende promover e dinamizar a investigação e o desenvolvimento multidisciplinar, clínico ou científico, no âmbito da recuperação de lesões vertebro-medulares, traumáticas, adquiridas ou congénitas, promovendo, assim, a descoberta de potenciais soluções que permitam a recuperação das limitações motoras e a consequente melhoria na qualidade de vida das pessoas afetadas.

Considerando a complexidade biológica da espinal medula, a descoberta de formas eficazes de recuperar uma lesão e criar estratégias de reabilitação que reduzam significativamente as deficiências motoras não é tarefa fácil.

A SCML pode assim propor um verdadeiro desafio à comunidade médica e científica, para que apostem em pesquisas inovadoras e multidisciplinares que apontem novas direções no campo da recuperação de lesões vertebro-medulares.






* Em 1955, o Dr. José Guilherme de Melo e Castro, então subsecretário de Estado da Assistência (nomeado Provedor da SCML em finais de 1957), planeou e desenvolveu, com o apoio do médico Victor Santana Carlos, um projeto destinado ao tratamento de diminuídos físicos motores, que ultrapassava o conceito de Medicina Física até então praticado em Portugal.