Reportagem da Semana
A força de um sorriso
Ruben é a prova viva de que "trabalhar por gosto não cansa". Monitor de crianças, da Misericórdia de Lisboa, há 11 anos, confessa-se "apaixonado" pelo seu trabalho, ainda que tenha, na música, outra das suas paixões.

O sorriso constante revela que estamos perante uma pessoa de bem com a vida, o que também se percebe quando o vemos no meio das crianças, enquanto monitor. Uns minutos a observá-los interagir mostram, também, a cumplicidade e o respeito que os unem.

Ruben trabalha no Centro Social Polivalente Bairro Boavista, da Misericórdia de Lisboa. É aqui que desempenha com amor a sua função de monitor de crianças, há mais de uma década. Num discurso com mais coração do que razão, diz que o seu "dia-a-dia é sempre diferente, mas sempre bom".

O Centro da Boavista disponibiliza aos seus utentes Animação Sociocultural e Educativa (ASE); Centro de Dia e Apoio Domiciliário. O Ruben trabalha na ASE, com as competências sociais e pessoais certas para as necessidades dos jovens que o frequentam. 

O pré-abandono e o absentismo escolar são dois dos problemas que o bairro enfrenta, daí "existir uma preocupação em criar nestes jovens a consciência da importância de frequentarem a escola", explica Ruben. "Também falamos sobre outros problemas da atualidade, mas não temos a presunção de acharmos que estamos a salvar alguém. É claro que acreditamos que ajudamos estes jovens mas, acima de tudo, acreditamos que estamos a contribuir para que eles definam um plano de vida", continua.

À pergunta "Qual o segredo para lidar, com ligeireza, com as realidades que aqui se vivem e que nem sempre são simples?", Ruben não hesita na resposta: "Trabalhar com um sorriso é a base. Estamos num local onde existem muitos problemas sociais. Nós tentamos arranjar soluções mas, se não for através da boa energia, torna-se muito mais difícil. O nosso sorriso é uma janela que mostra às crianças que estamos disponíveis para elas".

Uma das formas que este centro utiliza para cativar os jovens, é direcioná-los para atividades de que gostem, sejam desportivas ou artísticas. 

A Academia de Talentos, por exemplo, é um projeto criado pelos próprios jovens, que se divide em três vertentes: a desportiva, que oferece futsal e natação; a artístico-cultural, com aulas de viola, canto e teatro; e a que desenvolve competências sociais e pessoais, relacionadas com as dinâmicas de grupo. Nesta Academia também se ajuda nos estudos, graças ao contributo de voluntários da Santa Cada da Misericórdia de Lisboa.
 
É com passos pequenos, sem lugares a pressas, e sempre com muita dedicação, "que se vão criando relações com estes jovens e que vai sendo possível ensinar-lhes as "regras básicas de convivência. Quando vemos que eles as começam a adquirir, é muito gratificante para nós", partilha.


Um talento que se revelou ao "mundo"

Além de ser um monitor exemplar, Ruben tem um outro talento: cantar.

A música está-lhe no sangue desde sempre mas, foi ao fazer um dueto com o cantor português Dengaz, no conhecido tema "Dizer que não", que Ruben Matay saltou para as luzes da ribalta.

"Uma das características que define as pessoas que vivem neste bairro é o sentimento de pertença. Quando alguém daqui, ou que opera na comunidade, singra em algum ramo, eles ficam muito felizes e orgulhosos. No caso dos meus jovens, sinto que têm muito orgulho em mim. Ainda ontem saímos e eles fizeram questão de dizer a toda a gente quem eu era, mas sempre com aquele sentimento de que eu lhes pertencia", conta, divertido.

Recentemente, Ruben foi convidado para cantar em eventos da Santa Casa. Um deles tinha como objetivo apresentar o UNU, um projeto que, como explicou o administrador dos Recursos Humanos, Ricardo Alves Gomes, permite à instituição "utilizar bem os seus recursos e gerir bem as suas Pessoas." E não foi por acaso que foi o Ruben o escolhido para fazer a animação desta cerimónia. Afinal, por que razão ir buscar fora, se temos em Casa?

Estes convites aumentaram a "autoestima" de Ruben que se sentiu "reconhecido e valorizado" pela Santa Casa. Apesar de os "seus meninos" lhe darem o "combustível necessário para trabalhar com gosto e alegria", esta oportunidade "veio trazer uma força extra, que faz toda a diferença."

21 de abril de 2017
Vidas resgatadas: a experiência de ser sem-abrigo +

Web Summit. O desafio de ajudar as pessoas através da tecnologia +

A verdadeira beleza está na alma +

“A Santa Casa poderá contar sempre comigo” +

Os filhos da Coragem +

Uma terapia chamada música +

“Parece mentira, mas tenho outra casa” +

A nossa casa de férias +

O refúgio dos artistas +

Alegria, convívio e atividade física +

1 2 3 >
Facebook