Reportagem da Semana
A vontade genuína de ajudar o próximo
São mais de 600 os voluntários que colaboram com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML). São pessoas que dão, sem quererem nada em troca, e que fazem a diferença na vida da comunidade.

Numa grande cidade como Lisboa, vive-se num ritmo frenético e o tempo parece ser escasso. Mesmo assim, há quem não se foque no "eu" e que dedique, aos outros, parte da sua vida.

São os voluntários.

Os números que envolvem o voluntariado da Santa Casa são impressionantes. Atualmente são mais de 600, atuam em cerca de 100 equipamentos, e chegam a perto de oito mil utentes. Trabalham em diversas áreas, sendo de destacar três: ação social, saúde e cultura. 

A ação social é a que detém a maior fatia dos voluntários: 70%. Valor considerável e facilmente explicado se se considerar que, em Lisboa, a Santa Casa tem competências "estatais" neste domínio, ajudando idosos, crianças, jovens, pessoas com deficiência, portadores de HIV e sem-abrigo. 

A saúde reúne cerca de 20% dos voluntários e a cultura 3%. 

Por retratarem na perfeição a missão da Santa Casa - ajudar e apoiar as pessoas mais vulneráveis da comunidade - é com um sorriso rasgado que Luísa Godinho, diretora do Gabinete de Promoção do Voluntariado da SCML, diz que "os voluntários acrescentam um valor muito significativo à ação da Misericórdia de Lisboa."

Dar tempo em troca de sorrisos

Luísa Godinho admite que há muita gente que pensa que só é voluntário quem está desempregado, reformado ou não tem nada para fazer. Contudo, esclarece, "essa ideia não corresponde à realidade. A maior parte dos voluntários trabalha e está em idade ativa. 76% são mulheres, 23% são homens e a maioria é licenciada". 

Independentemente do perfil dos voluntários, todos têm um denominador comum: "uma vontade genuína de ajudar o outro", desempenhando "um trabalho notável", frisa a diretora.

No caso da camada mais velha da população, o apoio é dado em lares, residências e centros de dia da Santa Casa. Estamos a falar de um "público" que tem necessidades emocionais e que, muitas das vezes, precisa "apenas" de companhia e atenção. Neste âmbito, existe o Programa "Mais Voluntariado, Menos Solidão", em que o voluntário dedica aos mais velhos tempo de qualidade. Passeia com eles, acompanha-os nas compras, em resumo, dá-lhes atenção e dedica-lhes tempo. Em troca, os voluntários recebem sorrisos, sem preço.

No caso das crianças e jovens, a Misericórdia de Lisboa tem também programas específicos. Um deles diz respeito ao apoio ao estudo. Luísa Godinho explica que "o combate ao insucesso escolar é absolutamente determinante no combate à pobreza e o sucesso educativo é muito importante para romper este ciclo". Neste sentido, este apoio é fundamental, uma vez que "por vezes estes jovens não têm sucesso, não por terem dificuldades cognitivas, mas por bloqueios emocionais. E é aqui que o carinho e a disponibilidade do voluntário fazem toda a diferença".

Outro programa que merece destaque é o "Amigos", que consiste na disponibilidade dos voluntários em passar, fins de semana ou férias, com crianças institucionalizadas. Crianças que têm problemas (a maioria das vezes de saúde) e que não se encontram em processo de adoção.

"Este programa oferece às crianças a possibilidade de viverem experiências que, de outro modo, não teriam possibilidade. Os voluntários são seus confidentes, dão-lhes colinho..., são amigos destas crianças", revela a diretora.

Os programas mencionados são apenas três, de muitos. Ditam certamente a diferença na vida de milhares de pessoas.

Quem quiser ser voluntário da Misericórdia de Lisboa pode inscrever-se em www.scml.pt/pt-PT/voluntariado. Neste endereço pode também encontrar toda a informação necessária e uma área de perguntas e respostas.

30 de dezembro de 2016

O refúgio dos artistas +

Alegria, convívio e atividade física +

Pousal: 53 anos a praticar Boas Causas +

O verão em que os festivais tocaram a todos +

Uma casa de portas abertas +

Descodificar sons, palavras e corações +

Voluntariado: uma forma de ajudar +

Santa Casa: Um festival dentro do MEO Sudoeste +

Fantoches e crianças vão à praia +

Cristina, a rainha das medalhas +

1 2 3 >
Facebook