Reportagem da Semana
O verão em que os festivais tocaram a todos
Os festivais de verão são já uma “imagem de marca” portuguesa e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa não é alheia a isso. Mais uma vez, a instituição esteve presente nos principais encontros musicais dos festivaleiros, sob o lema “O Melhor do Festival Toca a Todos”.

“A música é a linguagem universal da humanidade”, já dizia o poeta Henry Wadsworth Longfellow.

É exatamente isto que defende a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), que esteve presente nos principais festivais de verão deste ano, de norte a sul do país, não esquecendo as ilhas. 
 
Como explica Maria João Matos, diretora de Comunicação da instituição, “a Santa Casa trabalha diariamente para uma sociedade inclusiva, sejam quais forem as circunstâncias. No caso dos festivais de verão, e dando continuidade ao trabalho que vem sendo desenvolvido há já alguns anos, mantivemos o nosso foco nas condições de acesso para quem tem mobilidade condicionada, apostando na melhoria das acessibilidades nos festivais, na sinalética e nas próprias plataformas para pessoas com mobilidade condicionada. Defendemos que ‘o melhor dos festivais deve tocar a todos’ e, mais uma vez, podemos dizer que as nossas iniciativas foram um sucesso, e que tivemos as plataformas Santa Casa sempre cheias.” 

Para que esta missão fosse levada a bom porto, a ajuda dos voluntários da Santa Casa foi fundamental. “Os nossos voluntários fazem um trabalho notável e nos festivais de verão isso não foi exceção”, continua a diretora.

Um mundo que vai além da música


Mas os festivais de verão não se fazem só de música. Fazem-se também de convívio, experiências e da divulgação de boas práticas.

Por este motivo, a Misericórdia de Lisboa aproveitou a sua participação para dar a conhecer os perigos de um mergulho mal calculado, através da campanha “Mergulho Seguro”.

Já através do Núcleo “Saúde Mais Próxima”, os enfermeiros da instituição fizeram recomendações e alertas e realizaram rastreios, principalmente de pele.

No caso do MEO Sudoeste, na Zambujeira do Mar, a SCML fez-se também representar através da “Vila Santa Casa”, onde podiam ser apreciadas artes plásticas e performativas; houve, igualmente, um parque de campismo exclusivo para utentes da instituição; e, ainda, o “Espaço Criança Santa Casa”, com atividades para crianças, supervisionadas por profissionais da Ação Social.

Maria João Matos revela que “a Santa Casa aposta nos festivais de verão com o objetivo de promover a cultura e a música nacionais e também para poder estar próxima de um público mais jovem.” 

Foram 11 os festivais em que a Misericórdia de Lisboa esteve presente em 2017: NOS Primavera Sound (Porto); NOS Alive (Algés); MEO Marés Vivas (Vila Nova de Gaia); EDP Cool Jazz (Oeiras); MIMO (Amarante); Sumol Summer Fest (Ericeira); MEO Sudoeste (Zambujeira do Mar); RFM Beach Power (Açores); PDL White Ocean (Açores); EDP Vilar de Mouros; e Festival F (Faro), que termina amanhã, 2 de setembro.


1 de setembro de 2017

Leia também:





O refúgio dos artistas +

Alegria, convívio e atividade física +

Pousal: 53 anos a praticar Boas Causas +

O verão em que os festivais tocaram a todos +

Uma casa de portas abertas +

Descodificar sons, palavras e corações +

Voluntariado: uma forma de ajudar +

Santa Casa: Um festival dentro do MEO Sudoeste +

Fantoches e crianças vão à praia +

Cristina, a rainha das medalhas +

1 2 3 >
Facebook