Reportagem da Semana
Pousal: 53 anos a praticar Boas Causas
Na Malveira, há uma paragem de autocarro que, a cada semana, serve de apeadeiro para uma história diferente.

A de Maria João, com cerca de 40 anos, e residente na Obra Social do Pousal, é uma delas. Apesar de ter um percurso aparentemente simples, a sua história merece ser contada.

Há pouco mais de um ano, e por sofrer de défice intelectual, a sua rotina não passava pela paragem de autocarro. Hoje em dia, sempre que pode, apanha-o sozinha e vai para qualquer lado. 

"Quando cheguei ao Pousal, a Maria João estava em situação de overcare", conta Dália Nogueira, diretora do equipamento. Todos os dias era levada para uma associação, onde aprendia jardinagem. Cada movimento que fazia era controlado, além de ter um horário rígido que não lhe permitia a independência. "À Maria João, nunca se exigiram competências", conta a diretora.

Até que esta dinâmica mudou. A utente deixou de frequentar a associação e começou a trabalhar no Pousal. Durante cinco horas, por um valor simbólico, tratava do jardim, da horta e tomava conta das galinhas. 

Os resultados estão à vista, afirma Dália Nogueira. Graças à Maria João, "temos o jardim como nunca tivemos". Além disto, "começou a fazer uma coisa que nunca fazia: sair sozinha". 

Esta foi uma das grandes vitórias de Maria João que, sob hipótese alguma, podia sair sozinha do Pousal. "Havia sempre alguém que controlava o que ela fazia", apesar de estarmos "a falar de uma pessoa com mais de 40 anos", salienta a responsável. 

"Estas pessoas são adultas" e devem ser tratadas como tal, defende, até porque "apesar do défice intelectual", há características de uma adulta que a Maria João já revela. 


Obra Social do Pousal

O Pousal foi fundado em 1964, pelo governador civil de Lisboa, Osório Vaz, depois de serem requalificadas as instalações de um conjunto de edifícios da Malveira, localizada no concelho de Mafra. Quando inaugurado, recebeu 54 pessoas com deficiência, a maioria das quais com paralisia cerebral. Em 1983, e já com uma capacidade de acolhimento superior, o equipamento passa a ser tutelado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e a ser designado pelo nome atual: Obra Social do Pousal. 

Atualmente com capacidade para 101 utentes, o Pousal conta com a dedicação diária de 119 colaboradores.

"A Obra Social do Pousal tem vindo a evoluir em termos do público-alvo". Até por volta de 2003 tinha "pessoas com multideficiência e idosos. Neste momento, os critérios de admissão só preveem pessoas com multideficiência", esclarece Dália Nogueira.

Foram nascendo, entretanto, projetos "fora da caixa" de que são exemplos: uma quinta pedagógica, em parceria com a Fundação MAPFRE, uma sala snoezelen, equipada com material para estimulação sensorial, e uma loja onde se vendem trabalhos realizados pelos utentes.

"Quando cheguei aqui [em maio do ano passado], senti que o Pousal tinha uma nobreza de cuidados extraordinária, inequívoca", revela a diretora.
Uma das grandes conquistas feitas pelo Pousal foi a abertura do bar, situado onde era, noutros tempos, a lavandaria. Segundo Dália Nogueira, estes são alguns dos projetos que "aproximam os residentes da normalidade".

O salário-estímulo é outra vitória deste equipamento. Consiste no pagamento de uma quantia simbólica aos residentes que desempenhem funções úteis para a instituição.

O bom ambiente entre os auxiliares e os residentes é um aspeto fundamental para o bom funcionamento do equipamento. Trata-se de "um grupo fantástico", e aquele que tem "mais proximidade" com os utentes, afirma.

"É raro haver aqui alguém que não faça alguma coisa para além das suas competências. Educa-se, chora-se, ralha-se, também se dá beijinhos, às vezes até se dá beijinhos a mais [risos]. Esta equipa faz tudo. Mesmo eu que sou diretora, e que poderia ter um papel mais de gestão, também tenho um papel de educadora. Aqui, toda a gente educa, desde a senhora da receção até ao jardineiro. Há uma versatilidade enorme nesta equipa, [até porque] todos os dias são diferentes", concluiu Dália Nogueira.

9 de setembro de 2017

O refúgio dos artistas +

Alegria, convívio e atividade física +

Pousal: 53 anos a praticar Boas Causas +

O verão em que os festivais tocaram a todos +

Uma casa de portas abertas +

Descodificar sons, palavras e corações +

Voluntariado: uma forma de ajudar +

Santa Casa: Um festival dentro do MEO Sudoeste +

Fantoches e crianças vão à praia +

Cristina, a rainha das medalhas +

1 2 3 >
Facebook