Reportagem da Semana
Uma tacada de mestre
O campeão nacional de snooker por equipas, dedicado à família, gere mais de 900 contratos imobiliários da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Saiba quem é o vencedor da instituição.

Natural de Viseu, o colaborador da Santa Casa, de 39 anos, engenheiro civil de formação, é o atual campeão nacional de snooker por equipas e vencedor da Taça de Portugal por equipas. Em 2015, foi o vencedor individual na modalidade.

Nem sempre Pedro France, diretor da Unidade de Ativos, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), gostou e praticou snooker. Tudo começou na faculdade numa brincadeira inocente. Ao passar um amigo, com um taco, Pedro perguntou: "o que é que vais fazer com isso? Olha que ainda te aleijas!".

Prontamente, Pedro é desafiado para uma partida. Aceitou o repto e venceu-o. E, assim, nasceu um praticante e campeão de snooker que traz ao peito, com orgulho, o emblema do Futebol Clube do Porto, a sua equipa de eleição.

Sempre fez desporto. Desde os oito anos que pratica ténis, basquetebol, vólei, golfe e bilhar. Mas apenas o snooker ficou.

Corria o ano de 2006 quando Pedro entrou para a Santa Casa. Começou por ser engenheiro civil estagiário, depois engenheiro de obras, mais tarde diretor de Núcleo de Equipamentos, sendo, atualmente, diretor da Unidade de Ativos, do Departamento de Gestão Imobiliária e Património, da Misericórdia de Lisboa.

Está encantado com a área do património, na vertente da gestão. "Gosto muito do que faço. E, agora, ainda, gosto mais do que faço", nota.

"Há uma grande aposta nos edifícios de rendimento", conta, frisando que "a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa está a tentar procurar novas fontes de receita".

Pedro é diretor da Unidade de Ativos da SCML. Tem a seu cargo quase 1000 contratos - 750 de arrendamento e 180 referentes aos equipamentos da instituição (lares, centros de dia, creches e hospitais).

A Santa Casa só tem duas fontes de rendimento (os Jogos Sociais do Estado e o arrendamento). "Nós existimos [Unidade de Ativos] para rentabilizar o património da Misericórdia de Lisboa", afirma. 


O engenheiro civil é federado desde 2007. Já pertenceu a vários clubes: Académica de Coimbra, Academia de Bilhar de Lisboa, Sport Lisboa e Benfica e Futebol Clube do Porto, a sua equipa atual.

Pedro amealha títulos. Foi campeão nacional em american pool, pool português, snooker e pool. Representa as cores azuis e brancas com "muito gosto e orgulho".

Para o colaborador da Santa Casa, o FCP tem uma "boa estrutura", recebendo "bastante apoio e as melhores condições" para conseguir bons resultados. "O snooker não é apenas dar tacadas nos dias de competição. Há muito mais envolvido. Temos muito treino, reforço muscular", conta.

O diretor da Unidade de Ativos salienta que não há qualquer tipo de remuneração na modalidade. As despesas de representação são pagas pelo clube. Já o material, os treinos, o professor de snooker e o ginásio ficam por sua conta.

Objetivos

O colaborador da SCML foi campeão nacional, em 2015, pelo Académica de Coimbra. O título tem-lhe fugido desde então. No entanto, Pedro não desarma: "o segredo está no treino, na concentração, na disciplina e no apoio incondicional da família".

"Sem ela [família], nada isto seria possível", destaca.
 
De acordo com o atleta do Futebol Clube do Porto, o campeonato português está cada vez mais difícil. A competição está a crescer. "O objetivo é renovar os títulos atuais e tentar ser campeão individual de snooker", diz, sem rodeios. "Isto é um desporto de concentração. Quando entramos em «campo» há muita pressão. Jogar a brincar qualquer um faz", sublinha.

Na opinião de Pedro, os ingredientes para o sucesso são simples: muito trabalho, treino, formação e técnica. "É difícil evoluir sem técnica".

Treinos à hora de almoço e férias para participar em torneios

A gestão entre trabalho, família e desporto, durante a semana, é o mais complicado, explica. O campeão português "corre" para conseguir treinar, trabalhar e estar com a família, admitindo que tem que fazer uma boa gestão. Não é fácil".

Durante a semana, tem duas aulas práticas com o professor de snooker, dois treinos à hora de almoço, na praça da Alegria, no Snooker Club Lisboa. Compete todas as segundas-feiras (por equipas) e uma vez por mês (individual). Muitas vezes, utiliza parte dos dias de férias para poder participar nos torneios.

Em 2016, foi ao campeonato da Europa de Snooker, na Polónia, trazendo um honroso 65º lugar. Uma prestação que considera excelente, tendo em conta que o nível em Portugal não tem expressão na Europa.

"Funciono muito por objetivos. Desistir é uma palavra que não existe no meu dicionário", lembrando, novamente, que o "apoio da família é fundamental para o sucesso".

30 de junho de 2017
O refúgio dos artistas +

Alegria, convívio e atividade física +

Pousal: 53 anos a praticar Boas Causas +

O verão em que os festivais tocaram a todos +

Uma casa de portas abertas +

Descodificar sons, palavras e corações +

Voluntariado: uma forma de ajudar +

Santa Casa: Um festival dentro do MEO Sudoeste +

Fantoches e crianças vão à praia +

Cristina, a rainha das medalhas +

1 2 3 >
Facebook