A auscultação às partes interessadas
O processo de auscultação às partes interessadas da organização constitui um momento fulcral no processo de delineação e concretização de qualquer estratégia de sustentabilidade. Antes de mais, porque permite estabelecer a relevância e as prioridades para a instituição, ao mesmo tempo que inclui as partes diretamente envolvidas no seu quotidiano - utentes/clientes, colaboradores, fornecedores, parceiros, etc. -, num processo que se deseja o mais participativo possível. 

Numa primeira fase, ainda em 2012, foi realizada uma auscultação à comunidade interna com o propósito de estabelecer o ponto de referência zero em relação ao nível de conhecimento dos colaboradores sobre o tema da sustentabilidade, a importância que atribuíam à relevância de a Santa Casa se tornar uma organização mais sustentável e, ainda, a opinião destes acerca de como a instituição deveria promover a sua sustentabilidade ambiental.








Esta auscultação permitiu alinhar o planeamento das iniciativas internas em matéria ambiental com as expectativas dos colaboradores. 

Em 2013 realizou-se a auscultação externa. Neste processo, ouviu-se a opinião de 60 partes interessadas da instituição, entre utentes, parceiros e fornecedores, junto dos quais se procuraram apurar os temas que consideram mais relevantes e prioritários para a mitigação dos impactes externos negativos da Santa Casa e para a alavancagem dos seus impactes mais positivos.









Em 2014 realizou-se uma auscultação que envolveu 45 representantes dos fornecedores, colaboradores e parceiros, com o propósito de conhecer a sua perceção relativamente ao Relatório de Sustentabilidade de 2013, que constituiu o primeiro relato da instituição em matéria de sustentabilidade, e as suas principais expectativas relativamente ao relatório seguinte. Todas as expetativas e recomendações apresentadas foram tidas em linha de conta no desenvolvimento do relato de sustentabilidade referente a 2014.